A saga de sofrer com preços excessivos na volta às aulas pode acabar. Recomendações divulgadas no início deste ano pelos órgãos que atuam na defesa do consumidor são de que os pais se atentem aos itens solicitados

 

Todo começo de ano letivo parece ser sempre igual, não é? Uma lista enorme de materiais para comprar. E especialmente esta fase que nosso país está enfrentando, torna as compras uma atividade ainda mais complexa, com preços ainda mais altos.

Mas voltar às aulas não precisa mais ser um momento em que você gaste mais do que pode ou até mesmo que se arrependa por ter exagerado ao ver que muitos utensílios não foram nem sequer retirados da embalagem. 

Ante de consumar as compras, há uma série de fatores primordiais que devem ser levados em consideração para otimizar tempo e claro, auxiliar na economia neste processo. São eles:
– Não deixe para última hora, comece o processo de compras com antecedência;
– Reaproveite os materiais dos anos passados que ainda podem ser úteis;
– Analise se há a real necessidade de comprar tudo naquele momento (certos materiais podem demorar a ser usados);
– Compare os preços pela internet (pode ser mais em conta) e em locais diferentes;
– Compre somente o que estiver na lista da escola, as lojas geralmente tem muito a oferecer;
– Procure livros e apostilas em sebos;
– Compre em conjuntos com outros pais ou amigos, os itens podem sair mais em conta em atacados;
– Opte pelo pagamento à vista (na maioria das vezes você poderá receber um desconto no valor total).

O mais importante neste momento é não ter pressa e ser paciente para que no final suas compras valham à pena e você não peque por falta e nem por excesso.

Os professores também recomendam a atenção aos itens que poderão ser utilizados durante o ano, mas que muitas vezes não aparecem na lista, é importante tê-los em mente.

Lembre-se: se feito com planejamento e organização, o retorno às atividades acadêmicas pode ser um momento livre de estresse e de gastos excessivos.